21 Abril, 2022

Apresentamos-lhe a Unidade de Avaliação da Marcha

Um projeto destinado a melhorar a qualidade de vida das pessoas com Parkinson

Apresentamos-vos uma iniciativa, única em Espanha, promovida pelo nosso GO fit LAB juntamente com a URJC e a Comunidade de Madrid: a Unidade de Avaliação da Marcha. Nesta, e de forma totalmente gratuita, realizam-se medições e avaliações da capacidade de caminhar em pessoas que padecem da doença de Parkinson.

Porque é que surge a Unidade de Avaliação da Marcha?

  • Em Espanha, estima-se que existam cerca de 300 000 pessoas que padecem da doença de Parkinson. Um dos principais sintomas motores nesta doença são as dificuldades da marcha.Os problemas da marcha pioram à medida que avança a doença, constituindo-se o principal sintoma que afeta a independência e a qualidade de vida destas pessoas.
  • O conhecimento atual das alterações da marcha em pessoas com a doença de Parkinson baseia-se principalmente em estudos transversais que não proporcionam informações sobre as mudanças individuais na marcha associados à progressão da doença.
  • Por outro lado, as avaliações clínicas da marcha realizadas na consulta de neurologia não incluem (por razões óbvias de tempo e recursos) avaliações quantitativas (como, por exemplo, velocidade e variabilidade da marcha) que permitiriam conhecer melhor a deterioração da marcha e o efeito da medicação ao longo dos anos.

Por isso, a UNM é uma iniciativa única em Espanha que procura dar resposta às questões previamente mencionadas.

Quais são os objetivos da Unidade de Avaliação da Marcha?

Dois objetivos principais, um objetivo social de serviço ao afetado e um objetivo investigador, de avanço no conhecimento científico.

1. Objetivo Social: A UNM oferece à pessoa afetada pela doença de Parkinson avaliações periódicas da marcha, totalmente gratuitas. Isto permitirá ter um conhecimento detalhado da avaliação da sua capacidade da marcha. Esta avaliação pode ser informada ao seu neurologista transmitindo-lhe mais informações a tomada de decisões.

2. Objetivo Investigador: A possibilidade de realizar avaliações da marcha em centenas de pessoas com Parkinson ao longo dos anos de evolução da doença, bem como as mudanças associadas ao tratamento farmacológico permitir-nos-á avançar no conhecimento da interação medicação-movimento, o que poderia ser de grande relevância para individualizar com base em critérios objetivos o tratamento de cada pessoa.

Porque é que me pode interessar assistir à Unidade de Avaliação da Marcha se tiver Parkinson?

Em menos de uma hora realizar-se-á um relatório detalhado e explicativo da capacidade da marcha, com informações relevantes tanto para o neurologista, como também para o interessado, fazendo-o participar no controlo da sua doença. Estas avaliações podem ser realizadas ao longo dos anos (por exemplo, duas ou três avaliações anuais), e inclusivamente após alterações de medicação ou antes de iniciar qualquer tipo de tratamento.

Podem participar pessoas que não tenham sido diagnosticadas?

Sim. Apesar de o estudo estar centrado numa primeira fase nos pacientes diagnosticados com Parkinson, a capacidade de ter uma base da dados ampla, na qual se incluam pessoas a priori sem a doença, poderá permitir potenciar a investigação e, inclusivamente, fazer um seguimento destas pessoas e estabelecer possíveis marcadores cinemáticos que possam prever a doença num futuro.

Artigos relacionados