17 Janeiro, 2023

Quando fazer a parte do cardio durante o treino?

Saiba quando fazer o treino de cardio com base nos seus objetivos

Respostas fisiológicas ao treino cardiovascular.

Já deve ter pensado muitas vezes: “Posso treinar como quiser e em qualquer disposição, porque a ordem dos fatores não altera o produto”, e isto funciona na matemática, mas no treino não é exatamente assim.

Quando começamos a treinar, o nosso corpo começa a adaptar-se à intensidade do exercício e gera uma série de  respostas fisiológicas e bioquímicas que nos permitem continuar com o esforço físico e aumentar ou não esta intensidade. Entre outras, uma das fundamentais é o consumo dos substratos energéticos que temos armazenados nos nossos músculos e fígado. Em termos gerais, podemos dizer que temos tanto ATP como PCr (fosfocreatina) a nível muscular, sendo este o substrato que é consumido mais rapidamente, seguido do glicogénio muscular e hepático e, por último, dos lípidos (gorduras) , também a nível muscular e no tecido adiposo.

Bem, um dos erros mais comuns nos programas de perda de peso é não definir bem quando treinar a força (porque esta é fundamental e vamos dedicar-lhe um post) e quando fazer a parte cardiovascular dos nossos treinos. Mas este erro pode ser extrapolado para qualquer objetivo de aptidão física.

Se o nosso objetivo é estético, a ciência diz que o ideal é que se realizem treinos separadamente, ou seja, que numa sessão façamos treino de força e noutra sessão trabalhemos a parte cardiovascular; mas normalmente não dispomos de tanto tempo e é aqui que todos os objetivos coincidem. 

O nosso treino cardiovascular deve ser realizado, na maioria dos casos (se forem treinos muito intensos, é melhor antes, mas vamos dedicar um post a isto) depois do treino de força. Porquê? A explicação é relativamente simples.

Em ambos os casos, tanto na perda de peso como na estética, o que nos interessa é reduzir a percentagem de gordura, e embora isto esteja intimamente ligado à dieta, podemos ajudar se o nosso esforço de treino cardiovascular vier depois da sessão de força, uma vez que, durante este, consumimos parte do glicogénio muscular e do PCr, o que, em média, nos leva meia hora de treino. Portanto, se fizermos cardio após a sessão de força, facilitaremos ao nosso corpo começar a utilizar o glicogénio hepático e os lípidos do músculo e tecido adiposo como substratos energéticos.

Embora este processo bioquímico seja bastante mais complexo, em suma podemos defini-lo da seguinte forma, especialmente se o seu treino cardiovascular for de média a baixa intensidade; caso contrário, o ideal é individualizá-lo e programá-lo bem de acordo com o objetivo, mas é um erro muito comum em pessoas com menos experiência em treino e que pode trazer muitos benefícios se começar a aplicá-lo o mais rapidamente possível.