28 Novembro, 2022

Alimentação para um mundo mais sustentável

Conselhos para o ajudar a contribuir para uma alimentação saudável, sustentável e para todos.

Os benefícios de comprar sazonalmente

Segundo os dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), estima-se que 672 milhões de adultos e 124 milhões de menores em todo o mundo são obesos e 40 milhões de crianças com menos de 5 anos têm excesso de peso. Isto deve-se principalmente a uma mudança na alimentação das pessoas, sobretudo das que vivem nas cidades. O estudo da FAO mostra que, nos últimos anos, a fast food transferiu, em grande parte, a comida caseira, e não só isso, também substituiu ingredientes importantes como fruta e vegetais por farinha, açúcar, gorduras e sal.

E este não é o único problema que enfrentamos no mundo, o tratamento dos alimentos também não é adequado.

Até um terço dos alimentos produzidos para consumo humano estragam-se ou são desperdiçados antes de serem consumidos. Só em Espanha, cerca de 7,7 milhões de toneladas de alimentos são desperdiçadas, desde a produção até ao consumo final. Estas perdas representam um gasto de recursos tais como terra, água e energia, aumentando as emissões de gases com efeito de estufa e contribuindo para o aquecimento global e as alterações climáticas.

Como conseguir uma alimentação mais sustentável.

Por ocasião do Dia Mundial da Alimentação, propomos-lhe conselhos fáceis para que a nossa forma de comer seja sustentável e amiga do meio ambiente.

  1. Baseie a sua alimentação em produtos de origem vegetal. Mantenha um consumo abundante de verduras, frutas, legumes, cereais inteiros, tubérculos, frutos secos e leguminosas, pois, não só reduzem o risco de padecer de doenças, como também têm um impacto ambiental menor do que produzir alimentos de origem animal. Existem tendências como as #segundasemcarne, motivadas para reduzir o consumo de carne a nível global durante, pelo menos, um dia por semana.
  2. Planeie a lista de compras. Planeie as suas refeições semanais e, com base nelas, prepare uma lista de compras com os ingredientes necessários, poupando, assim, dinheiro e minimizando o desperdício.
  3. Compre produtos da estação e locais. É importante respeitar o momento ótimo de maturação e o ciclo de crescimento das espécies, compre de acordo com a estação do ano. Além disso, se comprar os produtos nos mercados locais, contribuirá para melhorar a economia local, e o impacto ambiental gerado durante o transporte será menor.
  4. Evite os plásticos ou qualquer embalagem desnecessária, compre a granel, leve embalagens ou sacos feitos de materiais recicláveis ou biodegradáveis que não poluam.
  5. Aproveite ao máximo os alimentos, reduza a produção de desperdícios, adira à cozinha de aproveitamento, onde o mais importante é inovar e não sobrar nada. Por exemplo, aproveite a casca das verduras que sejam comestíveis, tais como a casca da batata, da cenoura ou da curgete, lave, seque bem e leve ao forno, temperada a gosto, e terá batatas fritas saudáveis para petiscar. Lembre-se de que o congelamento é outra opção para manter os alimentos mais tempo.
  6. Uso responsável da água. A maioria das confeções culinárias envolve um gasto de água, evite manter a torneira aberta durante mais tempo do que o necessário, lave as verduras com a quantidade mínima de água ou reutilize os caldos caseiros noutros pratos.
  7. Recicle. Tenha um caixote do lixo em casa para diferentes tipos de desperdícios, lembre-se: verde para garrafas e vidro, azul para papel e cartão, amarelo para plásticos e latas e castanho para outros resíduos. Lembre-se de reciclar o óleo usado e leve-o para pontos limpos ou locais adequados para recolha.

Alimente-se de forma sustentável, para que o meio ambiente não fique mal disposto!

Artigos relacionados