19 Outubro, 2022

O treino de alta intensidade e o cancro

Descobrindo o valor de uma vida ativa

Efeitos do treino de alta intensidade na qualidade de vida de doentes e sobreviventes de cancro: uma revisão sistemática com meta-análise

sobrevivência ao cancro continua a aumentar, com os últimos dados a indicar que cerca de 16,9 milhões de pessoas sobreviveram ao cancro nos Estados Unidos. Espera-se que este número ultrapasse os 26 milhões até 2040. No nosso país, o número atual de sobreviventes ultrapassa 1,6 milhões de pessoas. Além disso, até 2040, 73% dos sobreviventes de cancro terão, pelo menos, 65 anos de idade, o que sugere um aumento da carga de comorbidade.

No entanto, existe um fator a ter em conta relacionado com a recuperação e a sobrevivência dos pacientes. O cancro e as terapias associadas podem ter consequências graves, tais como efeitos secundários relacionados com o tratamento que diminuem a qualidade de vida relacionada com a saúde (QVRS). A QVRS representa a perceção da saúde física, social, emocional e cognitiva atual de um indivíduo (dimensões funcionais), juntamente com o bem-estar individual e os sintomas do cancro sentidos. A QVRS é uma variável importante a ter em conta ao tomar decisões clínicas, e correlaciona-se com o estado cardiorrespiratório dos pacientes e a mortalidade específica por cancro em diferentes tipos de cancro, tais como da mama, pulmão, cólon ou próstata.

Os efeitos a curto e longo prazo dos tratamentos oncológicos demonstraram comprometer a QVRS dos doentes. Os efeitos a curto prazo incluem sintomas de fadiga, perda de peso, aumento de peso, sarcopenia e caquexia, náuseas/vómitos, dor, queda de cabelo, dispneia, insónia (perturbação do sono), obstipação e sonolência.

Os efeitos tardios da quimioterapia e da radioterapia costumam incluir cancros secundários e doenças cardiovasculares. Os efeitos tardios e a curto prazo variam dependendo do histórico médico do paciente e da exposição ao tratamento, e podem afetar diretamente a saúde física e mental do sobrevivente, o que pode agravar-se com o aumento das comorbilidades que são suscetíveis de ocorrer com o envelhecimento. Portanto, as capacidades funcionais da QVRS dos pacientes com cancro, que incluem componentes físicos, emocionais, cognitivos, sociais e mentais, podem ser afetadas negativamente durante e após o tratamento, e esta experiência negativa pode durar toda a sobrevivência.

Graças ao trabalho de revisão Efeitos do treino de alta intensidade na qualidade de vida dos pacientes e sobreviventes de cancro: uma revisão sistemática com meta-análise1, desenvolvido por um grupo de investigadores do nosso GO fit LAB, podemos reconhecer o papel especialmente positivo do exercício físico. Neste trabalho de revisão sistemática e meta-análise, pretendia-se identificar o efeito específico do treino de alta intensidade (HIIT) nas dimensões da QVRS em pacientes e sobreviventes de cancro, e, após a sua publicação, podemos confirmar que este tipo de treino melhora a qualidade de vida global, a independência funcional, as relações sociais, as funções cognitivas, a fadiga, a dor, a dispneia e inclusive a insónia, dos pacientes ativos em comparação com os grupos de controlo de pacientes inativos.

treino de força pareceu ser fundamental para as melhorias na saúde em geral e o funcionamento físico. Não foram encontradas diferenças significativas ao comparar os efeitos do treino de alta intensidade com o exercício de intensidade baixa a moderada. Foram observadas melhorias na QVRS durante o tratamento do cancro quando o treino foi realizado durante mais de oito semanas, com uma frequência de 2 dias/semana, e um volume de, pelo menos, 120 min/semana com uma duração do componente de treino de alta intensidade em cada sessão de, pelo menos, 15 min.

Demonstrou-se que o exercício aumenta o funcionamento físico de base, reduz os impedimentos relacionados com o tratamento e a ajuda ao doente a manter a sua força geral durante o tratamento. O exercício pós-tratamento pode ajudar o paciente a regressar à situação inicial e a reduzir os efeitos secundários posteriores.

A meta-análise destacou o importante papel do treino de força na melhoria da saúde global e da função física. Provavelmente, a inclusão do treino de força nos programas de treino de alta intensidade aumenta a função muscularreduz o risco de sarcopenia e o risco de mortalidade e toxicidade do tratamento. Isto tem sido demonstrado independentemente da idade, do estádio do cancro ou do IMC2, e é parcialmente explicado por uma resposta anti-inflamatória. Além disso, este tipo de treino pode regular as deficiências do músculo esquelético e do tecido adiposo conhecidas como caquexia.

Contudo, é de notar que as intervenções que incluíam o treino de força apresentavam taxas de adesão mais baixas em comparação com o exercício aeróbico, o que também foi relatado em estudos realizados com outros pacientes com doenças crónicas. A escassa adesão também poderia explicar porque é que o funcionamento social e emocional só aumentou significativamente nos programas com componente aeróbico, e não nas modalidades de exercício de força.

Além disso, o cancro e os tratamentos associados podem causar graves efeitos secundários durante a terapia farmacológica, sendo a dor e a fadiga os mais comuns (70% dos doentes com cancro reportam fadiga relacionada com a sua doença). A queixa de fadiga relacionada com o cancro está associada a uma desregulação da resposta imunitária, inflamação, deterioração da função metabólica e mitocondrial, deterioração da função neuroendócrina e biomarcadores genéticos. No entanto, com o exercício, estes parâmetros podem melhorar. O treino de alta intensidade, bem como outras modalidades de exercício, parece ser eficaz na redução da fadiga, possivelmente mais do que as terapias farmacológicas ou psicológicas. Outros sintomas como a dor, insónia e/ou dispneia também parecem melhorar com o exercício e sem agravar os sintomas do cancro, embora isto ainda esteja a ser investigado3.

Em última análise, os programas de exercício podem ter de ser superiores a 8 semanas, com uma frequência de HIIT de 2 vezes/semana, e uma duração total de, pelo menos, 120 min/semana, incluindo um componente de HIIT de mais, pelo menos, 15 minutos, para alcançar o maior efeito positivo na QVRS. No entanto, como este é o primeiro estudo de meta-análise publicado no mundo sobre os efeitos do treino de alta intensidade na QVRS dos doentes e sobreviventes de cancro, serão necessárias novas investigações para confirmar algumas das nossas conclusões e resultados.

Referências:

1 LAVÍN-PÉREZ, A.M., COLLADO-MATEO, D., MAYO, X., LIGUORI, G., HUMPHREYS, L., COPELAND, R.J., JIMENEZ, A. Effects of high-intensity training on the quality of life of cancer patients and survivors: a systematic review with meta-analysis. Rep. Ciência 11, 15089 (2021) https://doi.org/10.1038/s41598-021-94476-y
2Caan, B. J. et al. Association of muscle and adiposity measured by computed tomography with survival in patients with nonmetastatic breast cancer. JAMA Oncol. 4, 798–804.  (2018).
3Campbell, K. L. et al. Exercise guidelines for cancer survivors: Consensus statement from international multidisciplinary roundtable. Med. Sci. Sports Exerc. 51, 2375–2390 (2019).

Artigos relacionados